Voltando os

olhos para 2021

 

 

O número 51 da publicação ABECIP – REVISTA DO SFI retrata o surpreendente momento vivido pelo setor de imóveis e pelo crédito imobiliário em 2020, marcado por números não apenas mais favoráveis do que o esperado, mas fortes o bastante para dar alento à economia brasileira ainda às voltas com a pandemia do covid-19. Esse é o tema da capa e do Summit Abecip, em que personalidades da área federal e do setor privado analisam a situação presente e as perspectivas do crédito imobiliário. Agora, é para os próximos anos que se deve voltar os olhos, tais os desafios que ainda se apresentam, seja para enfrentar as restrições fiscais, seja para repor o País na trilha do crescimento.

 

Os obstáculos conjunturais e futuros são esmiuçados nesta edição. Às voltas com o risco de inadimplência decorrente do desemprego e da perda de renda, bancos renegociaram contratos e preservaram os clientes, ao mesmo tempo em que abriam créditos para a compra de imóveis com os recursos fartos das cadernetas.

 

Os juros baixos motivaram mutuários e investidores, mas os problemas fiscais terão de ser bem administrados para preservar a conjuntura imobiliária favorável. O ex-presidente do Banco Central e sócio da consultoria Tendências, Gustavo Loyola, acredita num futuro promissor. A economista-chefe do Banco Santander, Ana Paula Vescovi, também tratou, com prudência, do ambiente macroeconômico. Mas o economista Marcelo Gazzano, da consultoria A.C.Pastore, teme o risco de que as restrições fiscais não sejam afastadas, embaçando o horizonte.

 

Destaque especial merecem as falas do diretor de Regulação do BC, Otavio Damaso, sobre a revolução digital em curso no segmento bancário, que tende a agilizar, aumentar a segurança e, assim, favorecer muito o setor imobiliário. Os avanços digitais ocorrem, inclusive, no registro imobiliário, antecipando a aceleração das operações imobiliárias.

 

O presidente do Bradesco, Octávio de Lazari Jr., e o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, mostraram as ações decisivas tomadas pelas instituições que comandam para fortalecer o crédito imobiliário. Com juros menores, milhões de famílias habilitam-se ao financiamento, destacou Lazari.

 

A força da construção civil foi enfatizada por Basílio Jafet, presidente do Secovi-SP. Esta força aparece nas pesquisas regulares do sindicato, mas também na volta dos incorporadores às emissões novas de capital (IPOs), registrada em reportagem de Angelo Pavini.

 

O economista e ex-diretor do BC, Alkimar Moura, trata da relação entre inflação e financiamento à moradia, num momento de pressões sobre os preços.

 

Na seção Rumos, a presidente da Abecip, Cristiane Portella, enfatiza a importância do juro baixo para o financiamento de imóveis.